Common-food-coloring-can-cause-inflammatory-bowel-disease

Por que os cientistas estão armazenando amostras de fezes congeladas de todo o mundo?

Amostras de fezes congeladas estão sendo enviadas para cientistas na Suíça de todo o mundo, especialmente os mais remotos, como a zona rural da Etiópia. Por que enviar esse tipo de coisa para tão longe? Bem, os excrementos podem ser mais importantes do que você imagina, pois temos uma enorme diversidade de bactérias intestinais – o microbioma – que influencia o metabolismo, o sistema imunológico e muito mais.

  • Doação de cocô | Estudo busca voluntários para conhecer a microbiota brasileira
  • Transplante fecal é capaz de reverter sinais de envelhecimento em camundongos

Com as alterações climáticas, a urbanização e a industrialização, a diversidade bacteriana do intestino humano está em risco, vivendo atualmente uma verdadeira extinção em massa. Amostras colhidas de crianças na região pastoril somali da Etiópia, por exemplo, mostram sinais de resistência a antibióticos, embora as crianças nunca tenham sido expostas a esses medicamentos modernos.

fezes de meia

Portanto, iniciativas como o projeto Microbiota Vault, com sede em Zurique, na Suíça, visam criar um banco biológico global, uma Arca de Noé microbiana. Com um modo de vida bem diferente dos que vivem nas cidades, essas pessoas utilizam o leite como base de sua alimentação, que acaba sendo rica em ácidos graxos.

No entanto, os pastores têm sido pouco estudados até agora, pois são nômades, levando cabras, ovelhas ou camelos pelos pastos da África Oriental. Isso significa que eles têm pouco acesso a cuidados médicos, por exemplo. Na Etiópia, cada vez mais etíopes estão comprando alimentos como arroz e macarrão, mudando a composição do microbioma e eliminando as bactérias que carregam em seus intestinos.

O Microbiota Vault pode resolver esse problema armazenando amostras congeladas de pessoas saudáveis, permitindo descongelar e reviver bactérias para crescer e usar para tratar doenças no futuro. Já existem algumas dezenas de bancos de fezes e outras iniciativas de sequenciamento do microbioma humano: o banco de Zurique planeja documentar e publicar os dados disponíveis para facilitar a pesquisa internacional e democratizar a informação científica.

Até o momento, o projeto conta com apenas um freezer no laboratório dos cientistas participantes e busca um local para armazenar as amostras. Os candidatos incluem o Global Seed Bank em Svalbard, na Noruega, e um bunker militar reformado nos Alpes suíços. Além disso, resta esperar que passe o período de congelamento das amostras, pois os cientistas estudam o melhor método de preservação a longo prazo.

Em 2 anos, eles descongelarão e sequenciarão a microbiota para ver qual preservará a diversidade com mais eficiência. Quem diria que congelar fezes seria tão útil para a humanidade, não é mesmo?

https://animamundi2019.com.br