NASA-Spotlight-Comet-Glow-and-Its-Tails-Is-Astronomical-Photo

Destaque da NASA: brilho do cometa e suas caudas são a foto astronômica do dia

Nesta segunda-feira (9), a foto destacada pela NASA traz o cometa C/2022 E3 (ZTF). Tem ficado mais brilhante à medida que se aproxima do Sol e pode ser visível a olho nu – mas, infelizmente, você não poderá vê-lo no hemisfério sul.

  • Quem define os nomes dos cometas? Como é feita a escolha?
  • Este cometa fará sua maior aproximação ao Sol em janeiro de 2023

Na foto, o destaque fica por conta da beleza das caudas do cometa. Se você olhar bem, notará que são quatro — três, de tons azulados, são formadas por íons e se estendem até o canto superior direito da imagem.

Confira:

É possível que as caudas de íons tenham sido afetadas pelo vento solar nos íons ejetados pelo núcleo do cometa. A outra, de cor clara, aparece no canto superior esquerdo da foto, sendo bem mais curta que as demais. Por fim, o brilho esverdeado pertence à cabeleira do cometa, composta por gás dióxido de carbono.

O cometa ZTF deve fazer sua aproximação mais próxima do Sol em 12 de janeiro e estará próximo ao nosso planeta no início de fevereiro. Esta não é a primeira visita desse objeto à nossa vizinhança: ele vem da Nuvem de Oort, a região mais distante do Sistema Solar, e esteve aqui pela última vez há 50 mil anos.

O que é um cometa?

Conhecidos como “bolas de gelo sujas”, os cometas são formados a partir de poeira e rochas que sobraram da formação do Sistema Solar. Eles são compostos de um núcleo congelado que é cercado pelo coma, a nuvem de gás e poeira formada quando o gelo no núcleo é aquecido pelo Sol.

À medida que o cometa viaja e perde gás e poeira de seu núcleo, a luz solar e as partículas do Sol “empurram” esses materiais, formando longas caudas. Eles são de dois tipos: um é de cor clara e é formado por poeira, enquanto o outro é azulado e contém íons, moléculas de gás eletricamente carregadas.

Até o momento, os astrônomos identificaram mais de 3.700 cometas. No entanto, provavelmente existem bilhões deles viajando ao redor do Sol em regiões distantes, como o Cinturão de Kuiper e, como mencionamos, a Nuvem de Oort.

https://animamundi2019.com.br