Carlos Diaz: “Estar no Vale do Silício é uma caixa de ressonância” - Anima Mundi
Mapa-mundi: continentes, países, mares, oceanos

Carlos Diaz: “Estar no Vale do Silício é uma caixa de ressonância”

Há um mês, Carlos Diaz apresentou brilhantemente a conferência de abertura do Web2day sobre as tendências futuras do Vale do Silício . Queríamos saber mais sobre o mais recente projeto desse empreendedor serial. Agora sediado no Vale do Silício, ele fala conosco nesta entrevista sobre sua última aventura: The Refiners. Criado com duas outras figuras do Vale, Géraldine Le Meur, cofundador da LeWeb, e Pierre Gaubil, The Refiners é uma aceleradora de startups estrangeiras que desejam se estabelecer em San Francisco. Carlos Diaz explica as razões que os levaram a criar esta estrutura e conta-nos sobre as start-ups francesas que tentam a sorte no Vale do Silício, os seus pontos fortes e a força do conceito transfronteiriço.

the-refiners-600x320.jpg
the-refiners-600×320.jpg

Por que você criou Os Refinadores?

Estou na área de startups há mais de 20 anos e já moro no Vale do Silício há vários anos com meus colaboradores. No entanto, nos últimos 2-3 anos, sentimos uma verdadeira dinâmica das start-ups francesas, muitas das quais vieram tentar a sorte em São Francisco, impulsionadas pelo entusiasmo que está soprando sobre as novas tecnologias na França. Apesar de todos virem com projetos diferentes, o processo de descoberta permanece o mesmo e sempre se resume a uma pergunta chave: ” Como funciona no FS?” Explique-nos!“. Rapidamente percebemos que esses empreendedores, com sua cultura francesa, não conseguiam entender o funcionamento desse ambiente tão particular. Para eles, o desejo de se estabelecer no Vale é muito real, como um “  sonho americano  ”, mas o mal-entendido e o choque de culturas estão aí. Daí o seu reflexo natural de recorrer a empreendedores já estabelecidos.

Mais amplamente, se olharmos para a história dos franceses no Vale, há 30 anos, os ”  franceses  ” vieram abrir padarias, há 20 anos, vieram trabalhar para start-ups americanas, e há pouco mais de 5 anos, uma nova geração está chegando para criar ou expandir suas atividades comerciais aqui.

O que é esse acelerador de start-up?

O ponto de partida foi muito simples. Por um lado, algo está acontecendo na França, com uma onda de startups brilhantes e fundadores cheios de ambições que vão além das fronteiras francesas. Por outro lado, em San Francisco, existe agora uma comunidade estabelecida que é apelidada de “a máfia francesa  “, e que se estabeleceu com sucesso. Os primeiros precisam que os segundos se beneficiem de sua experiência, por isso tivemos que criar algo em torno disso, construir uma rede produtiva e eficiente, que vá além da troca informal em torno de um café. Desta necessidade nasceu a The Refiners, uma aceleradora de pepitas francesas, mas também europeias, até globais.

Os Refinadores é uma comunidade que reúne hoje mais de 200 mentores e investidores de todas as nacionalidades, empreendedores ou não, e que todos têm em comum esta vontade de ajudar as start-ups que vêm do estrangeiro. Encontramos Reid Hoffman, o fundador do LinkedIn, Xavier Niel, Gary Vaynerchuk, o empresário e famoso crítico de vinhos de Nova York, Joi Ito, o diretor do MIT Media Lab, Phil Libin, o fundador do Evernote, etc.

Você fala muito sobre a noção de “cross border”. Como isso é uma força?

Nossa abordagem “cross border”, que não é usual entre os americanos, nos permite diferenciar-nos de outras aceleradoras mais tradicionais, como Y Combinator, 500 Startups ou Techstars. A ideia é se beneficiar da força de ataque e da aura do Vale do Silício, preservando uma posição na França. A razão para um duplo estabelecimento franco-americano é simples: é impossível recrutar engenheiros aqui. Com mais de 50 mil vagas, o Vale é tóxico desse ponto de vista. No entanto, ao espalhar suas forças em escala global e manter seu centro de engenharia na França, por exemplo, não apenas garante que tenhamos os recursos humanos necessários para desenvolver seu projeto, mas também garantimos que temos uma força de trabalho de P&D altamente qualificada D ao criar empregos de longo prazo na França. Além disso, The Refiners está lá para lembrar que a França é o paraíso na Terra para start-ups. É o melhor lugar do mundo para ter ideias, reunir equipes de talentos e criar conceitos tecnológicos. Fazê-lo no SV seria muito caro e consumiria muito mais tempo, principalmente por causa da forte concorrência que reina por lá. Uma vez percebido isso lição de casa  ”, a aventura no Vale torna-se essencial para aproveitar uma plataforma de lançamento inigualável.

silicon-valley_opt-600x414.jpg
silicon-valley_opt-600×414.jpg

Como empresário, se adotar o modelo transfronteiriço, qual é a melhor distribuição de competências e recursos?

Estar no Vale do Silício como empreendedor é uma verdadeira caixa de ressonância. Qualquer dólar de marketing investido na França não terá impacto em São Francisco, enquanto o menor dólar investido em São Francisco terá repercussões globais. Como CEO, é necessário, portanto, colocar todas as suas operações de vendas, marketing e desenvolvimento de negócios no Vale, porque é onde tudo acontece. Por outro lado, para técnicos e engenheiros, apesar das milhares de vagas e da crescente escassez de engenheiros-desenvolvedores americanos, é extremamente difícil obter um visto para vir trabalhar nos Estados Unidos. Esta política de imigração muito restritiva que está experimentando um entusiasmo renovado e não está melhorando com a ascensão de Donald Trump. Daí o interesse do modelo transfronteiriço.

O que concretamente The Refiners traz para as start-ups?

Para uma experiência de sucesso no Vale, os empreendedores precisam de 3 coisas essenciais. A primeira é a aculturação. É fundamental entender e adotar os códigos e a cultura dos VS que são muito específicos, com hábitos e costumes próprios desse microcosmo. Estou pensando em particular em uma maneira muito precisa de se vestir, uma maneira de falar, de se expressar, etc. Se não respondermos a esse modelo cultural específico, ninguém presta atenção em nós. Em segundo lugar, você deve fornecer a eles uma rede de contatos influentes que vai além do “aquário francês”. Finalmente, você tem que trazer a coisa mais importante: dinheiro. Os Refinadores abrem as portas ao financiamento americano e fornecem a capacidade de financiar seus projetos.

Os Refinadores estão divididos em duas entidades: uma aceleradora e um fundo de investimento de 6 milhões de dólares, dos quais 40% são investidos pelo BPI França e o restante por empresários. O acelerador recebe de 3 a 7% do capital de cada projeto, em troca de US$ 50.000 em assistência financeira para ajudar os empreendedores a começar. O programa de aceleração dura 3 meses. Os iniciantes aprendem primeiro a superar a “lacuna cultural”, que muitas vezes é negligenciada e que, no entanto, é a causa de muitos fracassos. Posteriormente, eles desenvolvem seu networking e também aprendem a fazer pitch para investidores americanos, que gostam cada vez mais de pepitas estrangeiras, desde que falem a mesma língua e compartilhem os mesmos códigos. É apenas no final desta formação acelerada que o start-up é “mostrado”.

Como você encontra essas “pepitas” digitais e quais são seus objetivos?

Com Pierre e Géraldine, somos muito curiosos e proativos em nossas pesquisas. Todos os meses, um de nós passa duas semanas na França e depois na Europa para “  explorar  ”, e descobrir talentos com outros aceleradores, investidores, empreendedores, mas também com escolas.

O primeiro programa de aceleração foi lançado em maio de 2016, e já vimos mais de 200 inscrições, das quais apenas 5 foram selecionadas com uma meta de 12 a 15 start-ups por sessão. Como “parceiros gerais”, temos que ser muito seletivos, mas esperamos acelerar 70 start-ups nos próximos três anos. Além disso, ao termo “aceleração”, preferimos a noção de “invasão”, que ilustra ainda mais essa ideia de conquistar o Vale do Silício com nossas startups estrangeiras.

Como você vê a French Tech e qual o papel que The Refiners poderia desempenhar em seu desenvolvimento?

La French Tech tem o mérito de colocar um verdadeiro destaque no ecossistema digital francês. Possibilitou o despertar de um país em que a cultura digital não era inata nem natural. No entanto, devemos estar certos e saber que aqui, no Vale do Silício, ninguém está falando de FrenchTech, BritTech ou GermanTech. O nacionalismo tecnológico não faz absolutamente nenhum sentido no Vale e uma start-up não se define pelo que é, mas pelo que faz. Você tem que ter sucesso em adotar uma visão global e entender a filosofia segundo a qual a tecnologia pode tornar o mundo um lugar melhor, não importa de onde você venha. E é no SV, uma espécie de bolha fora do espaço e do tempo, que se encontram todas as vanguardas que pensam assim.

https://animamundi2019.com.br

animamundi2019
Somos apaixonados por conteúdos